Uma tecnologia que irá revolucionar as relações e as formas de interação humana através da integração do mundo real ao virtual.

A tecnologia avança de forma extraordinária, agora mesmo, enquanto você lê este artigo, avanços tecnológicos acontecem ao redor do mundo! E para mostrar uma das últimas novidades e seu potencial inovador, vamos falar sobre o metaverso.
Os usuários do Facebook, Instagram e WhatsApp perceberam recentemente que a palavra que está em alta, ‘metaverso’, está na tela de abertura das redes sociais, porém de forma sutil e reduzida; onde antes estava o nome Facebook, agora está escrito ‘From Meta’. O metaverso já é considerado o próximo capítulo da Internet, uma revolução que transformará todas relações humanas que conhecemos hoje. Trata-se de um mundo virtual onde as pessoas terão a possibilidade de fazer qualquer atividade, se relacionar, trabalhar, fazer compras, jogar, ter momentos de lazer e interagir socialmente através da construção de ambientes virtuais completamente imersivos.
A entrada nesse mundo novo acontecerá por meio de equipamentos de realidade aumentada. Para uma experiência cada vez mais completa e imersiva, será possível mesclar elementos visuais, sonoros e sensoriais. E é exatamente assim que a evolução da Internet ganha forma, com a criação de espaços de interação social e econômica que envolvem os usuários de forma completa, é como entrar em uma nova realidade.

O projeto é ambicioso e vem para revolucionar as relações pessoais, profissionais e econômicas. No metaverso as pessoas poderão interagir entre si por meio de avatares digitais. Os gigantes da tecnologia estão vislumbrando novas maneiras de existir e coexistir a partir desta nova realidade.

Para compreender melhor o metaverso, podemos fazer uma analogia à World Wide Web, a rede mundial de computadores. A www foi inventada em 1989, é uma forma de transmitir diversos formatos de mídia pela internet e apresentá-los na tela da pessoa usuária utilizando a internet. Atualmente, nenhuma empresa é dona da rede mundial de computadores, por conta do fato de ela ter se consolidado como um fluxo aberto de informações para que todas as pessoas utilizem. Essa é a proposta do metaverso, ser um projeto aberto, para que as pessoas possam ingressar e participar de um espaço para outro da mesma forma que é possível trocar de sites apenas mudando a url.
O metaverso não é um projeto do Facebook, ou do Mark Zuckerberg, como algumas pessoas acreditam. O metaverso é algo muito maior do que isso, está além de ser apenas uma empresa. Outras empresas de tecnologia, como Microsoft, e de games, como a Epic, estão interessadas em fazer parte da construção do metaverso. O investimento pesado para aproximar essa realidade é um sinal claro que o novo normal veio para ficar.

Com a chegada da pandemia, causada pelo Covid-19, a humanidade já pôde experimentar novas formas de se relacionar, trabalhar e interagir. As reuniões são um exemplo muito natural, as videoconferências se tornaram essenciais e permanecem otimizadas até hoje. O presencial deu lugar ao virtual e segue assim mesmo sem o lockdown.
O metaverso funciona nesta lógica de conexão e otimização, porém extraordinariamente mais conectado. No metaverso a pessoa não desliga a chamada e volta para seu espaço, sozinha e desconectada, mas sim, permanece vivenciando uma realidade, proposta por um ambiente digital. Um lugar onde é possível interagir com todo um ambiente corporativo, caminhar pelo espaço virtual, interagir com outras pessoas, tomar um café, ler um livro, realizar qualquer atividade, só que dentro do ambiente virtual.
Em sua entrevista de lançamento, quando apresentou o novo nome Meta, Zuckerberg disse que levará muitos anos para que tudo que está sendo planejado seja alcançado e ressaltou que no começo será tudo muito mais semelhante ao que já temos em videogames. A implementação do metaverso não dependerá apenas dos investimentos da Meta, Microsoft e outras empresas envolvidas, apesar de esforços significativos, há uma jornada de desenvolvimento e evolução para ser trilhada. Além disso, a adesão da população também é um fator determinante, é só pensar sob a perspectiva das redes sociais, afinal de contas elas só existem porque as pessoas resolvem adotá-las. E aí, o que você acha sobre essa nova realidade que está sendo desenvolvida?